Crie um site como este com o WordPress.com
Comece agora

A Incerteza do Coração

Meu corpo inteiro tremia. Em minhas mãos, havia um coração; pequeno, frágil e batia constantemente contra minha palma. As batidas eram aceleradas e rítmicas, me faziam lembrar em claros tons de quem ele pertencia; um conhecido, uma das pessoas mais gentis e calorosas em que já conheci. Não nos conhecemos há muito tempo, mas mesmo assim, lá estava aquele pequeno pedaço dele, batendo incessantemente frente aos meus olhos. O nervosismo tomava conta; se fosse para contar todas as experiências amorosas de que tive, elas dariam uma novela dramática e apenas me trariam dor, lamentos e memórias partidas. Possuo medo. O medo de nunca dar certo. O medo de machucar os outros que ousam se aproximar de mim. O medo das consequências de atos fora do meu controle.


Meu peito pesava com o sentimento forte que emanava dali. Era caloroso, me convidava para prosseguir e abraçá-lo; mas meu medo, ah… esse monstro, ele me corrói. Ele arranha as paredes de meu estômago, traz a bile à tona e faz minha cabeça girar. Essa criatura, com a qual eu estava tão familiarizada, me lembrava das minhas falhas, dos meus defeitos e de que não sou digna de ser amada. Ele me ensurdeceu; não consigo ouvir mais nada que me diga o contrário ou sequer vestígios da verdade absoluta, e isso o alegra. Ele ri e dança conforme mastiga nos pedaços da minha alma quebrada. Mas lá estava: um pequeno coração em minhas mãos, e de novo, batendo tão forte que faziam meus olhos marejarem. Por que? Eu não mereço isso. Não mereço? Mas, se não, por que ele se recusa a parar de bater?

Eu finalmente cedi às lágrimas. Meus olhos brilhavam afrente do calor que banhava minhas mãos e as pernas cederam; ajoelharam-se no chão, revelando por inteiro a minha desprezível vulnerabilidade. E estava tudo bem. Minha testa se apoiava nos meus pulsos e sentia-se aquecida, confortável, mas as lágrimas não paravam. Elas nunca param. São a forma mais pura de que me expresso, a forma mais pura de todos os meus sentimentos.

A água cristalina correndo pelo meu rosto pingava no chão e no meu vestido, deixando pequenas poças acinzentadas no tecido branco. Cada uma delas representava emoções despejadas, mesmo que fosse um pequeno sentimento passageiro. Consegui respirar fundo apesar de ainda estar soluçando e ergui meu rosto; o órgão ainda batia, ao lado da criatura que afligia meu espírito. Ela observava e aguardava, pacientemente, cada movimento meu. Ela sabia que eu tinha apenas duas opções; abraçar ou soltar. E eu… dentro do meu próprio ser, eu já sabia a resposta.

Eu me levantei, o coração não mais presente em minhas mãos.

Publicidade

Um comentário em “A Incerteza do Coração

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close